domingo, 25 de junho de 2017

Mãos de Mãe são "Mãos que Tecem Histórias"

(Nalin, Novembro de 1990, aos 08 meses)

Minha #BonecaMenina
Há 27 anos 
Quando o Grande Pássaro Sagrado te concedeu a VIDA!

Na sala onde aprendeste a andar
Esbanjando os teus  meses iniciais de tua vida recém nascida,
Entre mimos e muitos colos a calar teus choros,
Rodeada por padrinhos e todos do teu ninho,
Com Tuas curtas perninhas ricas em dobrinhas...
Destes teus primeiros passinhos!

Minha Boneca Menina fostes uma #criançafeliz... 
E teus olhos nos dizem que ainda és!!!

Minha Boneca Menina,
Ontem princesa,
Hoje rainha...
Aprendeste a aprender como aproveitar as asas tecidas por minhas mãos,
Asas que eu bem sei,
Estás a aproveitar com louvor...
Tens coração com asas de amor.

Tenho muito orgulho de você, viu?
Hoje estás a fazer o mesmo com tua filhinha,
Tua Menina Boneca #Catarina
Uma luz recém nascida nas nossas vidas,
Viu só, Neta querida?
Agora é a vez de sua mãe fazer o mesmo em você: 
arrancas das próprias asas que das minhas costurei,
Para costurar as suas...
Suas ASAS, Catarina!!!

Mães são bem assim,
Tem #Mãos que Tecem Histórias por toda a VIDA.... 

E os filhos? 
Cada qual do seu jeito
De filho a filho
Vão fazendo o mesmo... 
Com suas mãos vão #fazendohistorias!

Mãos que apontam o certo e o errado...
Mãos que acariciam e também dão tapas,
Mãos que dizem Sim e também o NÃO! 
Mãos que AMAM  e escrevem com a alma,
Mãos que dão colo e ensinam a andar,
Mãos que ensinam de A a Z...
São "Mãos que Tecem Asas"

São Mãos de Mães...
(Da Vovó Claudete T. M. às suas duas Bonecas Meninas: Nalin e Catarina)
É mesmo assim e muito mais, tal como escreveu a escritora minha amiga Lucelia Clarindo 
"A primeira Morada dos filhos é o ventre da mãe. Depois ela os aquece com suas asas protetoras ...que aos poucos vai tirando e costurando nos ombros dos filhos. A dor é lenta e silenciosa mas necessária. E aos poucos ela vai lhes criando asas e eles voam.... voam porque não há limites. A mãe....sabe que podem voar longe porque as asas que eles carregam... foram suas ... aquelas que ela ganhou da sua mãe!" (Lucélia Clarindo, Ponta Grossa, Parana/2017 - https://www.facebook.com/lucelia.clarindo?)

Texto: Claudete T. M., que vai escrevendo os fios da memória.